quinta-feira, 23 de outubro de 2008

As Três Manias...



MANIA DE EXPLICAÇÃO (por Adriana Falcão)
Era uma menina que gostava de inventar uma explicação para cada coisa.
Explicação é uma frase que se acha mais importante do que a palavra. As pessoas até se irritavam. Irritação é um alarme de carro que dispara bem no meio de seu peito.
Com aquela menina explicando o tempo todo o que a população inteira já sabia. Quando ela se dava conta, todo mundo tinha ido embora. Então ela ficava lá, explicando, sozinha.
Solidão é uma ilha com saudade de barco. Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.
Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo. Autorização é quando a coisa é tão importante que só dizer "eu deixo" é pouco.
Pouco é menos da metade. Muito é quando os dedos da mão não são suficientes.
Desespero são dez milhões de fogareiros acesos dentro de sua cabeça. Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.
Agonia é quando o maestro de você se perde completamente. Preocupação é uma cola que não deixa o que não aconteceu ainda sair de seu pensamento.
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer, mas acha que devia querer outra coisa. Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido. Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.
Renúncia é um não que não queria ser ele. Sucesso é quando você faz o que sempre fez só que todo mundo percebe.
Vaidade é um espelho onisciente, onipotente e onipresente. Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.
Orgulho é uma guarita entre você e o da frente. Ansiedade é quando faltam cinco minutos sempre para o que quer que seja.
Indiferença é quando os minutos não se interessam por nada especialmente. Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento. Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.
Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes. Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração. Alegria é um bloco de Carnaval que não liga se não é fevereiro.
Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma. Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
Decepção é quando você risca em algo ou em alguém um xis preto ou vermelho. Desilusão é quando anoitece em você contra a vontade do dia. Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia.
Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo. Desculpa é uma frase que pretende ser um beijo.
Excitação é quando os beijos estão desatinados pra sair de sua boca depressa. Desatino é um desataque de prudência. Prudência é um buraco de fechadura na porta do tempo.
Lucidez é um acesso de loucura ao contrário. Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato. Emoção é um tango que ainda não foi feito. Ainda é quando a vontade está no meio do caminho.
Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele. Desejo é uma boca com sede. Paixão é quando apesar da placa "perigo" o desejo vai e entra.
Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado. Não. Amor é um exagero... Também não. É um desadoro... Uma batelada? Um enxame, um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego?
Talvez porque não tivesse sentido, talvez porque não houvesse explicação, esse negócio de amor ela não sabia explicar, a menina.




MANÍA DE EXPLICACIÓN (Kleitman Castro)

Había una niña que gustaba mucho inventar una explicación para todas las cosas.
Explicación es una frase que se hace más importante que la palabra. Los transeúntes que pasaban ya la conocían y se irritaban. Irritación es una alarma que trina dentro de ti.
De repente, todos ya se iban. Entonces, la niña quedaba, allá, a explicarse sola.
Soledad es un hombro que añora el amigo. Añoranza es cuando el recuerdo intenta concretizarse en instante, otra vez, y no consigue.
Recuerdo es cuando, mismo sin autorización, su pensamiento describe un capítulo. Autorización es cuando la cosa es tan importante, aunque se diga “yo consiento” es poco.
Poco es menos de la media. Mucho es cuando los dedos de las manos no son suficientes.
Desespero son millones de lámparas inflamadas dentro de su cabeza. Angustia es un nudo apretado en tu sosiego.
Agonía es cuando tú perdis los estribos de tu mismo. Inquietud es una engrude que no deja salir lo que no ocurrió de tu pensamiento.
Indecisión es cuando tú sabes lo que quieres realmente, más piensa que deberías querer otra cosa. Certeza es cuando la idea cansó de procurar y para.
Intuición es cuando tu corazón da saltitos en el futuro y retorna rápido. Presentimiento es cuando tú asistes a una película dentro de tu mismo que podrá nunca existir.
Renuncia es un ‘no’ que quería no lo ser. Suceso es cuando tú haces lo que siempre hiciste, mas ahora todos perciben.
Vanidad es un espejo que refléjate superior a todo momento, en cualquier sitio. Vergüenza es una tela negra que tú quieres para cubrirse a aquélla hora.
Orgullo es un freno entre tú y el anterior. Ansiedad es cuando faltan cinco minutos siempre para cualquier cosa que quieras.
Indiferencia es cuando los minutos no te interesan por nada especialmente. Interés es un signo de exclamación o de interrogación en el final del sentimiento. Sentimiento es la lengua que tu corazón habla cuando quieres llevarte un mensaje.
Rabia es cuando tu propio perro enséñate los colmillos. Tristeza es una mano gigante que apretó tu corazón. Alegría es la Navidad, bienvenida, en el medio de abril.
Felicidad es un ‘ahora’ sin ningún apuro. Amistad es cuando tú presta tu mismo para los otros sin hacer hincapié.
Decepción es cuando tú borras en rojo o negro algo o alguna persona. Desilusión es cuando es noche dentro de ti cuando todos quieren que sea día. Culpa es cuando tú cismas que podría tener hecho diferente, mas, en verdad, no podría.
Perdón es un día de acción de gracias en mayo, por ejemplo. Disculpa es una frase que aspira ser un beso.
Excitación es cuando los besos están desatinados para salir de tu boca. Desatino es un titubeo de la prudencia. Prudencia es un orificio de cerradura en la puerta del tiempo.
Lucidez es la locura al revés. Razón es cuando el ‘cuidado’ saca provecho de la siesta de la ‘emoción’ y toma posesión. Emoción es un tango que, todavía, no fue hecho. Todavía es cuando la gana está en el medio del camino.
Gana es un deseo que cisma que tú eres la calle suya. Deseo es una boca sedienta. Pasión es cuando, a pesar de la tarjeta – PELIGRO –, el deseo va y entra.
Amor es cuando la pasión no tiene otro compromiso marcado. No. Amor es un exceso… también no. Es un Desvarío… ¿una desorden, revoltijo? No, no. Un delirio, un diluvio, una sinrazón, necesidad, es el que más y el que menos… ¿Quien sabe tal vez, un desahogo, un despropósito?
Quizás porque no tuviese sentido o explicación, la niña no quedaba a intentarlo a explicar, el Amor.


MANIA OF EXPLANATION

There was a girl who enjoys giving an explanation to everything. Explanation is a sentence, which feels more important than a word.
The people had already known that noise. She can make them annoyed. Annoyance is the buzzer turning off in your heart.
The crowd has left her by now, but the girl continued what she had started to, by herself.
Solitude is a shelter that misses a body or a bed. Missing someone or somebody looks as if you are trying to run out of your memories, over and over again, on the contrary you cannot.
Memories happen when you do not give permission to your mind; even so, it reviews an episode about your life. Permission exists when something very significant is allowed to do, and you think about twice, though.
A few count less than a half. A bunch is more than your hands can count.
Despair is millions of bips and leds forever and ever in your mind. Anguish is a lump in your throat.
Agony makes you lose yourself from yourself. Preoccupation puts a fixation on your mind; even tough it is unmade yet
Indecision exists while you know what you want, but you think it is not what you mean. Sure is the idea tired of seeking and it stops.
Intuition is a high-speed tour in the future. Apprehension forces you watching a bad clip from yourself, which, maybe, will not exist.
Renunciation is a ‘No’, which mean not to be. Success happens when you are doing the same as you have been doing, but now, everybody congratulates you.
Vanity has a mirror reflecting you superior anytime, anywhere, in any place. Shyness is a Big Bang you make use of hiding yourself.
Proud builds a block between you and the next one. Anxiety turns when you always have five minutes left for every thing you yearn for.
Indifference is the time does not interest you, any longer. Interesting is a highlighting indication on the expression of your feelings. Feeling is the language spoken by your heart, when he wants to talk to you.
Angry makes you foam at mouth, in a flash. Sadness is a hold tightens in your heart. Joy is an out-of-the-blue-party all the time.
Happiness is a ‘right now’ without any urgency. Friendship is your surrender to someone without fighting.
Deception makes you add a zero to someone or something. Disillusion brings you down even if it is a sunny, shiny day. Guilt makes you believe you could change the way of a thing, but, in fact, you could not.
Forgiveness is a Thanksgiving Day in May, for instance. Sorry is a word that is inclined to be a kiss.
Excitement overflows wishes and kisses from all your body. Lucidity is the madness’ upside down. Madness is a lapse of the prudence. Prudence is a firm step, which makes a difference in the future.
Reason is the ‘caution’ handles in while the emotion is taking a break. Emotion is an Elvis’ song still unwritten. Still is the will, which is coming on the way. Will is the desire that makes you as its territory. Desire is horny lips expecting for a French kiss. Passion is the desire crossing over a KEEP OUT warning.
Love is a passion without another date. No. Love is exaggeration. It is certainly not. Love is gorgeous… a mass? …An outburst, a rainstorm, a magnitude, insanity, a folly, negligence, impulsiveness, a need or self-sacrifice?
Maybe because it had no sense or reason, the girl had not made out what this thing called LOVE means.




Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails